quarta-feira, 18 de julho de 2018

BPRaio prende acusado de tráfico de drogas em Umbuzeiro,Parambu


A equipe do Raio 01,composta pelos Cabos Mendonça,Teixeira e os Soldados Wilker,Manoel Junior e Bruno,realizou uma prisão por tráfico de drogas na localidade de Umbuzeiro,Municipio de Parambu.Por volta das 09h da manhã desta quarta-feira,18,a equipe do Raio recebeu a informação que em uma residência em Umbuzeiro,estava havendo tráfico de drogas.A equipe se deslocou até o local e identificou a residência informada.Após as buscas no imóvel foram encontrados 10 papelotes de cocaina.Foi dada voz de prisão ao proprietário da residência,identificado como Antonio Jailson Pires de Almeida,28 anos,natural de Parambu.Ele foi conduzido junto com o material apreendido para a delegacia regional de Tauá para os devidos procedimentos.

Repórter Edy Fernandes

Polícia Civil de Tauá desvenda crime de homicídio em Arneiroz e acusado é preso.


O corpo de um homem que foi encontrado morto, na madrugada desta quarta-feira, 18, no alpendre de uma residência, em Arneiroz, situada na Avenida Virgílio Távora, naquela cidade, foi identificado e o crime desvendado pela Polícia Civil.

A vítima Luiz Mathias da Silva Filho, 35, com pais residentes em Lagoa dos Rodrigues, zona rural de Arneiroz foi assassinado com uma perfuração à faca a altura do pescoço. No local havia muito sangue e a vítima não portava documentação.

Informações preliminares repassadas para a polícia, através do neto do senhor José Ferreira (Zé Boiada), identificado como Eduardo Cardoso da Silva, 18, natural de Parambú, mais conhecido popularmente pela alcunha de Duruja, dava conta de que este ao chegar em casa por volta das 2h da madrugada, se deparou com o rapaz morto e logo acionou a polícia militar para o local. A PM acionou a polícia civil da 14ª DP que esteve no local do crime e começou as investigações e conforme o inspetor Michel, havia muito sangue no local e nenhum do documento da vítima foi encontrado

Contudo, foi acionado o Rabecão da Pefoce que fez a condução do corpo ao IML - Instituto Médico Legal de Tauá e após a divulgação do fato e as características da vitima, uma irmã do rapaz o reconheceu e providenciou a documentação do mesmo para os procedimentos cabíveis na delegacia e no IML.

Eduardo que tinha acionado a PM foi levado para a Delegacia Regional de Tauá para ser ouvido, enquanto os inspetores e o delegado Dr. Gisleian Lima continuavam as investigações.

Eduardo inicialmente acompanhado de uma advogada negou qualquer envolvimento, porém entrou em algumas contradições em seu depoimento o que levou os investigadores a tê-lo como principal suspeito do crime.

Diante das investigações a equipe da PC encontrou vestígios no interior da residência em que Eduardo mora com os avós, como a faca (tipo peixeira) e alguns locais sujos de sangue, bem como algumas imagens de vigilância eletrônica que não correspondia com as informações apresentadas por ele, como por exemplo os horários que o mesmo teria chegado e o seu destino.

Confissão

Durante mais uma conversa com os Policiais Civis Eduardo /Duruja resolveu confessar o crime e disse que ao chegar de uma festa que ele tinha ido em Planalto, encontrou a vítima deitada no alpendre da casa do avô. E com isso, ao adentrar o imóvel pegou uma faca e desferiu o golpe contra o pescoço de Luiz Mathias, que morreu no local.

Segundo Eduardo, praticou o crime por que se dizia revoltado por sempre chegar em casa e ter gente dormindo no alpendre muitas vezes bêbado,que além de ser casa de família, funciona também como bar. E nesta madrugada ao chegar na residência teria discutido com a vítima e Luiz Mathias teria efetuado dois socos contra Eduardo que teria se revoltado e praticado a ação delituosa.

Eduardo foi preso em flagrante e conduzido para a 14ª Delegacia de Polícia Civil onde foi autuado em flagrante por homicídio e ficará a disposição da justiça.

Luiz Mathias tinha passagem pela polícia e atualmente vivia como andarilho, pois segundo familiares do mesmo, que reside em Lagoa dos Rodrigues – Arneiroz, ele estava passando por problema de depressão.

Além do delegado regional, também atuaram neste trabalho os inspetores William, Michel, Cristiano e Jéssica.

Por Flaviano Oliveira - repórter.