quarta-feira, 2 de março de 2016

MORRE EX-JOGADOR QUE ATUOU NO MEC EM TAUÁ


De forma mais do que precoce, o Sport Club do Recife perdeu um de seus maiores ídolos. Com apenas 41 anos, o ex-atacante Leonardo, que brilhou no clube na década de 90 e no começo dos anos 2000, faleceu nesta terça-feira, às 15h15, no Recife - ele estava internado desde o dia 3 de fevereiro no Hospital da Restauração. Natural de Picos, no Piauí, foi na capital pernambucana onde ele mais brilhou e construiu toda a sua vida. Leonardo saiu para se aventurar no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em São Paulo, por exemplo, mas sempre retornava para onde era mais feliz: a Ilha do Retiro.
O velório será realizado na sede do Sport, na noite desta terça-feira. O corpo será enterrado no Memorial Guararapes, no município de Jaboatão dos Guararapes, às 16h30. O presidente João Humberto Martorelli decretou luto de três dias com bandeira a meio mastro. Também será feita uma homenagem na partida de quinta-feira, na Ilha, contra o River-PI, pela Copa do Nordeste.
De acordo com a médica do Hospital da Restauração, Fátima Buarque, que tem acompanhado Leonardo desde o início de sua internação, a morte do ex-atacante foi por falência múltipla dos órgãos em decorrência de uma doença chamada neurocisticercose, que se dá pela ingestão de alimentos mal tratados.
- Ele faleceu agora. Teve falência múltipla dos órgãos e não teve condições nem de fazer a hemodiálise hoje por conta do seu estado - disse ela.
O estado de saúde de Leonardo sempre foi tratado com muito sigilo pela família, por amigos e por funcionários do Sport, que sempre o acompanharam desde o início da doença. Ele chegou a ser internado em outubro do ano passado, mas o caso não teve conhecimento da imprensa. No início de fevereiro, quando voltou ao hospital, os médicos sempre se mostraram muito cuidadosos ao falar sobre o estado do ex-jogador.
Histórico de sucesso na Ilha do Retiro
Leonardo marcou 136 gols vestindo a camisa rubro-negra, o que o torna o terceiro maior artilheiro da história do Sport. Só perde para Traçaia e Djalma, que foram bem nas décadas de 50 e 60, respectivamente. Seu faro de artilheiro ficou evidenciado em grandes partidas, como a que o Leão venceu o Atlético-MG por 6 a 0, em 2000, pela Copa João Havelange, em pleno Mineirão - ele marcou cinco tentos naquele jogo.
Outra marca que coloca Leonardo no topo dentro do clube é a de títulos conquistados. Ao todo são oito, com duas Copas do Nordeste (1994 e 2000) e seis Campeonatos Pernambucanos (1994, 1997, 1998, 1999 e 2000). O recordista de títulos com a camisa do Leão é Magrão, com oito no total.
Leonardo trabalhava nas categorias de base do Sport deste 2014 e era o responsável por lapidar os garotos que tinham o sonho de se tornar atacantes. Ele circulava por todas as categorias com treinamentos de finalizações e posicionamento. Ele descobriu e levou para o clube o garoto Wallace, que hoje treina entre os profissionais depois de se destacar na equipe Sub-20.

Fonte:G1
Leonardo também escreveu sua história no futebol tauaense.Ainda muito jovem,ele atuou várias vezes em Tauá pela equipe do Marrecas,sempre se destacando pelo belo futebol apresentado.Na época ele foi indicado pelo irmão,jogador Pedrinho,que atuava no futebol da cidade de Picos,no vizinho Estado do Piaui.