quarta-feira, 11 de novembro de 2015

OBJETOS QUE PERDERAM ESPAÇO COM A CHEGADA DO SMARTPHONE

Não é exagero afirmar que o smartphone é uma maravilha do mundo moderno e que ele redefiniu os caminhos tecnológicos do nosso século. Quem diria que um objeto que se encaixa perfeitamente na palma da mão poderia comportar tantas funcionalidades? Mesmo a imaginação mais criativa da ficção científica de cinquenta anos atrás jamais pensaria em um hardware tão versátil.Com o celular, objetos que antes eram indispensáveis se tornaram obsoletos. 
1. Despertador
Se você tem mais de 25 anos, provavelmente se lembra de ter ajustado aquele velho despertador para não perder a hora na manhã seguinte. Toda aquela dissonância chegava até a revoltar. Inclusive, alguns desses objetos foram lançados contra parede, em um ato legítimo e primitivo de fúria matinal.
2. Espelho
Aquele espelhinho que figurava obrigatoriamente na bolsa perdeu espaço para, vejam só, o smartphone. Na hora de retocar a maquiagem ou arrumar o topete, o narcisista de plantão pode conferir o visual pela câmera do aparelho do celular. Infelizmente, o dispositivo móvel (ainda) não provém beleza para seu usuário.
3. MP3 player
O mundo virou uma grande “balada”. Com o smartphone, o usuário pode baixar as músicas que quiser . De Beethoven a Taylor Swift, o céu é o limite musical para quem não dispensa uma boa melodia no transporte público, na fila de espera ou em qualquer outro local. Isso sem falar nos aplicativos de streaming, que pouco a pouco vão extinguindo os downloads. O pobre MP3 player, que foi sucesso absoluto nos primeiros anos de 2000, caducou e hoje é um mero objeto de museu.
4. Câmera fotográfica
Você se lembra da Polaroid? Não? Pois bem, ela era o suprassumo tecnológico em que as fotos eram reveladas na hora. Inclusive, antigas artes rupestres indicam que nessa época foram tiradas as primeiras selfies. Depois, o advento da câmera digital foi uma revolução e tanto. Elas dispensavam os malfadados filmes que, outrora, limitavam o número de registros do entusiasta de fotografia. Mas aí vieram os smartphones com seus “muitos” megapixels e desbancaram de vez as máquinas de tirar foto. Em compensação, existem relatos de que as câmeras ainda são usadas por profissionais, mas isso são só histórias que o povo conta.
5. GPS
Esse certamente não é o objeto mais antigo que o smartphone substituiu: até cinco anos atrás ele era vendido aos borbotões para os motoristas perdidos de plantão. Porém, como você já sabe, veio o smartphone com suas benditas tecnologias de localização em tempo real. Aquela voz feminina que indicava o caminho com toda elegância foi promovida e, hoje, habita os aparelhos móveis de última geração.
6. Cronômetro
Vai correr ou praticar alguma outra atividade física? Vai apostar com o amigo quem fica mais tempo embaixo d’água? Ou simplesmente não tem nada para fazer mesmo? Seja qual for a razão, um cronômetro para medir o tempo será necessário. Porém, aquele pequeno objeto que era um motivacional a mais durante as aulas de educação física perdeu espaço para o smartphone.
7. Agenda de recados
Todo começo do ano era assim: ir na papelaria para comprar uma agenda bonitinha para fazer anotações. Isso acabou após a chegada do smartphone. Com ele a agenda ficou inteligente e, inclusive, chega a emitir mensagens para que você não se esqueça de uma tarefa ou evento específico. As árvores agradecem à tecnologia.
8. Gravador de voz
Antigamente um gravador de voz era um trambolho, geralmente caro, que necessitava ser abastecido periodicamente por fitas K7. Hoje em dia, todos os aparelhos móveis já dispõem de gravador, dispensando gastos adicionais com fitinhas, pilhas e afins.
9. Calculadoras
O smartphone (também conhecido como o novo terror dos professores de matemática) não chegou a aposentar as calculadoras. Afinal, qualquer comércio de bairro que se preze ainda ostenta uma vistosa calculadora que ainda emite som a cada tecla pressionada. Por outro lado, para um cidadão comum que deseja fazer complexas (ou nem tanto) operações matemáticas, o estimado aparelho móvel é uma boa pedida para cálculos com precisão.
10. Relógio de pulso
Convenhamos que o relógio de pulso ainda é um artigo pessoal de que poucas pessoas abriram mão, afinal ele é uma representação de status e estilo. Porém, para consultar as horas, o aparelho móvel já é a principal fonte de informação. As pessoas que não sabem olhar em relógio de ponteiro agradecem.
11. Video game portátil
A Nintendo ainda mantém a liderança entre os games portáteis com o seu 3DS – para quem não se importa muito com o Mario, Luigi, Pikachu e afins, o smartphone ainda é uma opção divertida e econômica. Em vez de pagar R$ 150 no novo jogo da franquia Zelda, por exemplo, o usuário pode baixar gratuitamente a última versão de Angry Birds ou quebrar a cabeça no Candy Crush ou simular um voo no Fligh Pilot, entre outros milhares de opções.
12. Rádio
Uma das mídias mais queridas e influentes de todos os tempos vive firme e forte nos smartphones. Por meio dos aparelhos móveis é possível sintonizar na estação AM ou FM de sua preferência, dispensando os trambolhos analógicos que faziam você penar na hora de escolher uma emissora de rádio. 
13. Homem do tempo
Isso não é um objeto, mas pode-se dizer que também foi substituído pelos smartphones. Quem nunca assistiu ao telejornal só para ver a previsão do tempo e se perguntar: “Como ela consegue apontar as nuvens e massas de ar frio da Antártida só olhando para o fundo chroma key do estúdio? ”. Essa espera e a dúvida cruel acabaram. Hoje em dia o usuário preocupado com a temperatura, ou com o fim de semana que “não vai dar praia”, poderá se informar por meio de aplicativos de tempo já instalados no smartphone.
14. Lanterna
Não era um objeto comum no dia a dia das pessoas antes dos smartphones. Já hoje em dia, a lanterna é usada sem precedentes, seja para iluminar o interior da bolsa ou para resgatar algo que caiu na escuridão do cinema. No cotidiano, o bom LED do celular faz as vezes como uma eficiente fonte de luz.
15. Enciclopédias
Com o fácil acesso à internet e, por sua vez, à Wikipedia, a antiga e empoeirada coleção Barsa da sua avó pode ser doada para uma biblioteca ou pode ser revendida no sebo mais próximo. Com o smartphone você descobre em questão de segundos o que a morte do Arquiduque Ferdinando provocou para a história da humanidade ou quais músicos integraram a formação do Pink Floyd no quinto álbum da banda, dispensando, assim, perda de tempo com intermináveis buscas no índice e espirros constantes com o pó emanado das velhas páginas da enciclopédia.
Fonte:http://www.tecmundo.com.br/