quinta-feira, 5 de novembro de 2015

ESCOLAS DA REDE ESTADUAL PODEM FICAR SEM VIGILANTES

As escolas da rede estadual de ensino público do Ceará (Capital e Interior) correm o risco de ficar sem vigilantes a partir deste domingo (8). Isto porque, de acordo com o Sindicato dos Vigilantes do Ceará, a Secretaria da Educação Estado (Seduc) não renovará os contratos com as empresas de segurança que prestam serviço aos estabelecimentos de ensino. Amanhã (6), a categoria fará uma manifestação na Praça Portugal

Segundo o presidente do sindicato, Daniel Borges, 1.226 profissionais da classe serão prejudicados, caso não haja uma solução. "Todos os vigilantes das escolas estão sendo retirados pelo Governo do Estado. As escolas irão ficar sem segurança a partir de domingo meia-noite. Estamos tentando conversar com o Estado, mas o Governo mostra que não procura resolver e gera mais problemas ainda", disse.

"Estaremos organizando uma grande manifestação, se encontrando na Praça Portugal a partir de 8h da manhã. Estão vindo várias caravanas do Interior para participar. Em Juazeiro também terá mobilização. A vigilância é um mecanismo importante na segurança do Estado do Ceará, assim como no Brasil todo", destacou o sidicalista.

Um vigilante, que não quis se identificar, não escondeu a preocupação com a atual situação. "A gente fica na expectativa pra que o governador assine um novo contrato. Se isso não acontecer, vai ter muito pai de família desempregado, sem falar na segurança dos próprios alunos, que é o nosso papel principal. Somos preparados e treinados para isso".

Por meio de nota, a Seduc informou que há um processo de licitação em andamento para a reposição de postos de vigilância. Após a conclusão do certame, com o resultado da empresa vencedora, a Secretaria da Educação fará a contratação de profissionais.

Por fim, a Seduc destacou que está adotando todas as providências necessárias para resolver essa situação o mais breve possível. No entanto, não soube informar se as escolas públicas do Estado contarão com vigilantes a partir deste domingo (8).

Escolas aguardam posicionamento oficial
De acordo com o coordeanador escolar do Liceu do Ceará, professor João Lúcio, a escola ainda não foi oficialmente comunicada a respeito da saída da vigilância. "A orientação da Seduc é que a gente aguarde e tenha prudência com relação a esta situação. Só depois de um esclarecimento formal, a gente pode se posicionar se surgir um novo cenário", acrescentou. 

O coordenador ressaltou o serviço prestado pelos vigilantes e espera que a situação não traga prejuízo ao calendário escolar. "A questão da segurança nas escolas, do serviço prestado pelas empresas terceirizadas, se faz necessária por conta da segurança de professores, alunos, funcionários e até uma situação de estabilidade nos arredores das escolas. Estamos em um período muito crítico, de início de provas bimestrais. A esperança é que haja um comunicado oficial para que se resolva a situação. A partir do cenário que irá se formar, tomaremos as providências para não gerar prejuízo a comunidade escolar".

Segundo o coordenador João Lúcio, cerca de 1.300 a 1.400 alunos frequentam, diariamente, o Liceu, sendo que em torno de 70% estudam pela manhã. A segurança na escolar era feita por quatro vigilantes (dois em cada turno - 12h/12h). Hoje, diminuiu para dois vigilantes (um em cada turno).

Fonte:Diário do Nordeste