segunda-feira, 7 de maio de 2018

Vereador pede detalhamento de gastos de mais de meio milhão de Secretaria Municipal


O vereador Felipe Viana,fez um pronunciamento na sessão dessa segunda-feira,07,da Câmara de Tauá,quando abordou o tema intitulado por ele como "Ineficiência administrativa do executivo Municipal".Segundo ele,fez uma análise do portal da transparência e verificou que de abril a dezembro de 2017,a Secretaria de Infraestrutura do Municipio licitou e pagou ao fornecedor uma quantia de mais de meio milhão de reais.O vereador disse que quer saber o que foi adquirido com a quantia citada,considerada alta para aquisição de material.Segundo o vereador,o que foi gasto na aquisição de lâmpadas daria para iluminar todo o Municipio.O parlamentar quer que seja mostrado onde o material adquirido foi utilizado.Ele fez um comparativo que nos últimos 10 anos,o maior valor que foi comprado para a Secretaria de Infraestrutura foi de até 120 mil reais.Para o vereador Felipe Viana,existem os recursos,mas o Municipio enfrenta sérios problemas administrativos em várias áreas.

Em aparte a outros pronunciamentos,o vereador Felipe Viana,lembrou da empresa contratada através da dispensa de licitação para fazer o transporte escolar,informando que visitou o endereço apontado e não encontrou a sede.O endereço informado seria no Distrito de Lagoa do Mato,no Municipio de Itatira.Em aparte o vereador Avelange Junior disse que a empresa foi investigada pelo Ministério Público e que tudo foi constatado legalmente.Segundo Felipe,não queria entrar em maiores detalhes  sobre o fato no seu pronunciamento,pois o caso já foi encaminhado para O Ministério Público,que deve tomar as providências necessárias.Segundo ele,fotografou por todos os ângulos a Avenida e ouviu depoimentos,não encontrando a sede da empresa em Lagoa do Mato.

O vereador Felipe Viana também fez um aparte na participação da professora Márcia Noronha, presidente da Aprofe,na abordagem da questão relacionada ao pagamento de precatórios.O vereador entende que o montante destinado aos professores,deve ser rateado com os profissionais que atuavam na época,ou seja,entre 2002 a 2006.Segundo o vereador,esse entendimento já aconteceu no Município de Aracati e vem acontecendo em outros também.Por sua vez a representante da categoria informou que a Aprofe ver com bons olhos a ideia apresentada anteriormente pelo vereador,para que seja realizada uma Audiência pública para tratar da questão dos precatórios.