sexta-feira, 23 de março de 2018

Missa das Águas reúne multidão às margens do Açude Colina em Quiterianópolis


A comunidade católica de Quiterianópolis realizou, na manhã desta quinta-feira,22 (Dia Mundial da Água), missa campal, no Açude Colina, na Sede deste município. Intitulada “Missa das Águas”, a celebração foi presidida pelo pároco da Cidade, Donizete Maia. Na ocasião, também foi lido um documento sobre a construção do Açude, produzido a partir de relatos de pessoas que trabalharam ou acompanharam a obra do reservatório.

Fieis de Quiterianópolis e Novo Oriente, pastorais, associações e sindicatos, além de alunos das escolas municipais e estadual marcaram presença no evento religioso, que tinha como objetivo agradecer a Deus pelo bom inverno e pelas águas que encheram o Colina, além de despertar a população para a preservação do reservatório. 

Padre Donizete Maia destacou a importância do momento para semear a cultura da preservação, já que a missa contou com boa participação de diferentes seguimentos como secretarias da administração municipal, pastorais e movimentos, além da população em geral. “A população atendeu ao nosso chamado e veio agradecer apor esse som especial, a água. Esperamos que todos, principalmente as crianças e adolescentes se sintam tocados para preservar essa bondade de Deus, dada para cada um”, frisou.

O diretor da escola municipal Roberto Antunes de Freitas, Valdeci Alves, considerou o momento como “bastante significativo”, pois acrescentou em conhecimento, referente aos projetos que a Escola desenvolve, além de possibilitar aos alunos o conhecimento da História da construção do Açude. “Parabenizamos o padre Donizete por essa missa que nos deu a oportunidade de celebrar, com alegria, a grandeza do nosso reservatório, que está cheio, além de conhecer a História de nossa barragem, relatada por diversas pessoas que trabalharam na obra”, comentou.

Já o presidente da Associação de Pescadores de Quiterianópolis, Francisco Diassis Batista, lembrou que a missa foi um momento oportuno para agradecer pela recarga d’água recebida pela Barragem Colina. Ele comenta que o enchimento do reservatório garante dois anos de pesca para os pescadores em atividade. “Ela [barragem] é uma segunda mãe porque é daqui que a gente tira o sustento e ela nunca desampara a gente”, agradeceu.

Fonte de renda

De acordo com Francisco Diassis, a Associação de Pescadores de Quiterianópolis tem 10 anos de atividade e atualmente cerca de 30 famílias sobrevivem da atividade pesqueira no Açude Colina. Segundo Diassis, os pescadores cadastrados vendem o peixe in natura para o comércio local e o filé de peixe para programas governamentais como Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

História da Obra

A obra de construção do Açude Colina foi iniciada em 1970, mas logo em seguida foi paralisada por falta de recursos. Em 1982, a obra foi retomada, na gestão do então prefeito de Independência, Adonias Carneiro Portela, e do governador do Ceará, naquela época, coronel Virgílio Távora.

A obra foi feita de forma braçal, por homens que prestavam serviço nas obras emergenciais do Governo, os chamados “bolsões”. Os trabalhos foram executados Sob a coordenação do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e o comando do Exército. 

Em 1984, o Açude Colinas foi concluído e neste mesmo ano a população de Vila Coutinho, atual Quiterianópolis, viu o reservatório sangrar, já que foi um ano de bom inverno. (Informações contidas no documento produzido, a partir de relatos de pessoas que trabalharam ou acompanharam a obra, para apresentação na “Missa das Águas”).

Repórter Cícero Lacerda