quinta-feira, 31 de agosto de 2017

DHPP apresenta primeiros resultados sobre investigação de crimes em Aiuaba


Oito homicídios ocorridos em Aiuaba e cidades vizinhas, entre setembro de 2016 e maio deste ano, podem estar conectados entre si e terem sido motivados por uma disputa política, conforme a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A célula da Polícia Civil elucidou um dos crimes e investiga os outros sete.

"É do conhecimento público que, no município de Aiuaba, e nas regiões circunvizinhas, vinha acontecendo uma série de assassinatos. Temos contabilizadas oito mortes. Foi determinação superior que a DHPP assumisse os casos e verificasse se há conexão entre eles", revelou o diretor da Divisão, delegado Leonardo Barreto.

O crime elucidado foi o último da sequência de mortes. A DHPP prendeu um suspeito e identificou seu comparsa, no assassinato do comerciante Cícero Urbano de Araújo, no último dia 16 de maio. A detenção ocorreu no dia 31 de maio, mas foi divulgada apenas ontem.

Segundo o diretor adjunto da DHPP, delegado George Monteiro, Ítalo Breno Alves Solano Feitosa, 19; e Robércio de Assis Feitosa, 23, estavam em uma moto e pararam na oficina de Cícero Urbano, alegando que precisavam lubrificar a corrente do veículo. Ítalo entrou no estabelecimento, chamou por Cícero e o executou a tiros.

Através de perícia, a Polícia descobriu que a pistola usada no homicídio do comerciante também foi usada na execução de Graciliano Bezerra, irmão do então presidente da Câmara dos Vereadores de Aiuaba, no último dia 20 deabril. Apesar de ser a mesma arma, a Polícia não tem provas suficientes de que os suspeitos também tenham executado Graciliano Bezerra.

Outros crimes
A DHPP listou mais seis homicídios que podem ter relação. No ano passado, o vereador José Valmir de Sousa foi executado a tiros, no dia 24 de setembro, em Aiuaba. Pouco tempo depois, o agricultor Pedro Lopes foi morto pelo filho de José Valmir, que foi preso na época. Em 22 de outubro de 2016, Marcos Antônio Solano Feitosa foi assassinado, no município de Campos Sales.

Em 2017, a matança atingiu uma família. A primeira vítima foi Juleudy Arrais, executado no município de Pio IX, no Piauí, no dia 4 de janeiro. No dia 21 de fevereiro, a irmã de Juleudy, a vereadora de Aiuaba Jucely Arrais, foimorta. Em 8 de março, o alvo dos criminosos foi o viúvo de 'Cely' e irmão de Valmir, Francisco Alves de Sousa, o 'Josa', no bairro Bela Vista, em Fortaleza.

 Fonte:Diário do Nordeste