segunda-feira, 27 de março de 2017

IFCE Tauá lança projeto de extensão Viver Capoeira



O IFCE de Tauá lançou, no último dia 23, o projeto de extensão Viver Capoeira, realizado em parceria com o grupo de capoeira Garra Cearense. A iniciativa ofertará aulas de capoeira para alunos e servidores do campus, assim como para o público externo, de qualquer faixa etária.

De acordo com o professor de educação física da instituição, Fernando Nobre, a proposta é promover a capoeira e difundir a atividade no município.

As aulas serão ministradas todas as quintas-feiras, a partir do dia 30 de março,das 19h às 21h, no bloco de ensino do campus. Os interessados em participar devem preencher o formulário de inscrição disponível na recepção do IFCE e comparecer ao primeiro encontro do projeto.

Para apresentar o Viver Capoeira ao público, o Garra Cearense foi convidado a se apresentar no pátio do campus nos intervalos das aulas, pela manhã e à tarde. O grupo atua desde 2010 no município de Tauá e costuma treinar e se apresentar em praças da cidade. A parceria com o IFCE veio a partir do diálogo entre o professor Fernando e o contramestre Jaguar Monteiro com o objetivo de levar o projeto ao campus e integrar alunos e servidores ao grupo; em contrapartida, o grupo terá uma melhor estrutura para treinar, além de outras formas de apoio. “Quando a gente tem um espaço em uma instituição onde tem um apoio melhor, a gente pode oferecer algo melhor. A parceria vai facilitar para que a gente tenha, por exemplo, transporte para um intercâmbio municipal. O grupo está feliz, com certeza.”, afirma Jaguar.

A capoeira e seus benefícios

Segundo o educador físico do campus, são inúmeras as vantagens de se praticar capoeira: “Melhora a flexibilidade, a coordenação motora, os níveis de força de membros inferiores e o controle do corpo. Como é uma dança, exige ritmo e isso vai ajudar também na questão da agilidade, porque envolve
movimentos de pernas e saltos. Então, tudo isso vai auxiliar nessa cultura corporal de movimento, além de trabalhar com o psicológico.”

Por Larissa Lima