segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Associação das Esposas de PMs desmente boato de paralisação



A Associação das Esposas de Policiais do Estado do Ceará (Assepec) desmentiu um boato divulgado nas redes sociais nesta segunda-feira, 13, que anunciava uma paralisação da Polícia Militar no Estado do Ceará (PMCE). Segundo a responsável pela comunicação da associação, Adriana Rodrigues, não foi marcado nenhum tipo de movimento de paralisação. "Estamos em negociação com o Governo do Estado e aguardando a votação da média do Nordeste. Não sei de onde tiraram isso. Estão tocando o terror nas redes sociais", comenta a responsável pela comunicação da associação. Conforme Adriana Rodrigues, a Assepec apoia a greve dos policiais militares que aconteceu no Espirito Santo. "A luta é uma só, mas no momento a gente não está soltando nenhuma nota nesse sentido", divulgou.
A falsa informação divulgada nas redes sociais dizia que as esposas permaneceriam na saída das delegacias de Polícia e quartéis para impedir a saída das viaturas.Ainda no texto, dizia que o Comando Vermelho (CV) aproveitaria o momento para saquear lojas. A associação ainda rebateu informando não há vínculo com facções criminosas e que acredita que o boato tem o interesse de colocar a sociedade contra as associação de esposas e militares.Além disso, teria o interesse de desmotivar a luta das associações das esposas e associações militares para impedir o direito da categoria de se reunir e discutir as pautas de necessidades da Polícia. 
PMCE
A Polícia Militar do Ceará, divulgou, por meio de uma nota, a confirmação de que texto divulgado em redes sociais se tratava de um boato. 
" As associações, os militares e seus familiares têm um canal de diálogo aberto com o Governo do Ceará, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social e o Comando da PMCE. Sendo assim, qualquer informação sobre manifestação ou paralisação da PMCE é falsa e merece profundo repúdio", divulgou. 
 A Polícia Militar do Estado do Ceará ainda ressaltou a importância de não compartilhar ou divulguar "relatos incertos". "O compartilhamento de boatos, além de espalhar pânico infundado, atrapalha a ação da Polícia", divulgou a corporação.  
Fonte:www.opovo.com.br