sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Réus absolvidos em julgamento em Catarina


A Comarca de  Catarina se reuniu nesta quinta-feira, 17, para mais uma sessão do Tribunal do Júri, realizada nesta cidade, onde sentaram no banco dos réus, Cleiton Soares de Araújo e José Roberto Chaves, acusados de homicídio contra a vítima Marcos Martins de Lima, fato ocorrido em 19 de setembro de 2015, na localidade de Camelo – distrito de São Gonçalo.

O Júri presidido pela meritíssima juíza Dra. Anne Carolline Fernandes Duarte iniciou por volta das 9 horas e encerrou às 22 horas.

Com presença da polícia militar e plenário lotado, o julgamento começou com o depoimento de duas testemunhas que estavam no local do fato, no dia do ocorrido, o Sub Tenente da Polícia Militar, Fenício Marcos Galdino Martins e Francisco Mauro César Teixeira  de Oliveira. Mauro foi preso na época do fato, mas foi absolvido na decisão de pronuncia, sendo arrolado apenas como testemunha do fato.  Em seguida o depoimento dos réus.

Durante as narrativas, foi informado que no dia 19 de setembro  os denunciados  estavam ingerindo bebida alcoólica, na companhia do Sub Fenício, no Bar do Nogueirão desde as 13 horas. Em seguida, Fenício, Mauro, Cleiton e Zé Roberto saíram juntos num veículo Fiat Punto amarelo para a localidade de São Gonçalo – zona rural de Catarina, cujo objetivo era ir para  o sítio Camelo, onde acontecia uma vaquejada. Depois de parar num bar na localidade de São Gonçalo, a vítima teria pedido uma carona até a vaquejada sendo aceito pelos denunciados. No veículo estavam Mauro (motorista) e Zé Roberto (acompanhante do banco dianteiro) e nos bancos de traz estavam  Cleiton (lado esquerdo), Marcos no meio e Fenício (lado direito).

Segundo os denunciados, no trecho São Gonçalo – Camelo teria ocorrido um desentendimento entre Cleiton e Marcos e com isso Zé Roberto teria reclamado os dois. Marcos não teria gostado e teria agredido Zé Roberto que estava armado com revolver e efetuou dois disparos na vítima dentro do carro, vindo a óbito. Fora do veículo  teria ocorrido outros disparos e o corpo deixado as margens da estrada num matagal. Após o fato, Fenício saiu do local e comunicou o fato a polícia militar que  fez o deslocamento para aquela região e efetuou a prisão e flagrante dos acusados.

Durante as explanações de acusação e defesa, o  Ministério Público, representado pelo promotor Dr. Alexandre Paschal  Konstantinou, pediu para a condenação dos réus  e a defesa representada pelos advogados tauaenses, Dr. José Viana de Abreu e Dr. Felipe Viana, pai e filho respectivamente, apresentou a tese de Legítima Defesa ao réu José Roberto e a tese de Crime Impossível em relação a Cleiton Soares.

Ao final, foi proferida a sentença, e por maioria de votos, o Conselho de Sentença absolveu os réus pelo crime de homicídio qualificado, garantindo-lhes a liberdade.

Blog:Flaviano Oliveira