segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Situação tensa em Quiterianópolis e caso vem parar na DP de Tauá


Movimentação intensa na manhã desta segunda-feira (15), no destacamento da Polícia Militar de Quiterianópolis. É que o comandante da Polícia Militar local, subtenente Lopes, resolveu apreender e conduzir para o destacamento os dois rapazes envolvidos numa confusão, na noite de ontem, com o radialista Inácio Vieira.

Os jovens Luís França de Oliveira, 18 anos, conhecido como Buchecha, e Ronaldo Bezerra da Silva, 20 anos, foram abordados pelo subtenente, por volta das 8h30 quando trabalhavam num lava jato, na Avenida Laurindo Gomes. Os dois rapazes foram colocados na viatura da polícia e levados para o destacamento.
Familiares dos rapazes e populares se aglomeraram em frente ao destacamento para acompanhar o desenrolar da ocorrência. Os ânimos do pai de Ronaldo, senhor Luís Ananias, se alteraram. Ele alega que quando chegou no destacamento presenciou o filho ser agredido fisicamente pelo subtenente.
As advogadas Genilde Soares, Mara Lutiane e Danyele Andrade compareceram no destacamento para saber o que se passava com os jovens. A viatura de número 2787 da Força Tática de Apoio (FTA) do 13º Batalhão de Polícia Militar de Tauá, composta por três policiais veio até o município para ajudar contornar a situação.

Após a chegada dos policiais da FTA, os jovens foram liberados e orientados a se dirigirem para 14ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Tauá para registro da ocorrência. A viatura da FTA ainda fez diligências na rádio onde Inácio Vieira no intuito de localizar o radialista, mas os policiais não obtiveram sucesso.

Laudo Médico
Após sair do destacamento os jovens seguiram para o Hospital e Maternidade Quitéria de Lima, onde receberam atendimento. O Laudo Médico, fornecido pelo médico plantonista Ricardson Ricarte, por volta das 10h45, informa que Luís de França sofreu trauma no nariz e Ronaldo Bezerra da Silva sofreu Trauma Craniano Encefálico (TCE) leve. No laudo, Ronaldo Bezerra também relata ter “recebido coronhadas de pistola”.
Os rapazes foram nesta tarde para 14ª Delegacia de Polícia Civil de Tauá para registrar o Boletim de Ocorrência.

A versão da Polícia
O subtenente Lopes justifica que foi buscar os rapazes e o intuito era trazer para o destacamento todas as partes envolvidas na ocorrência. Segundo Lopes, os jovens resistiram e não quiseram obedecer à ordem de vir para o destacamento. Sendo assim, o policial teve que contê-los para fazer a condução.
O subtenente comenta que teve que algemar o jovem Luís de França, no destacamento, para controla-lo.

Repórter: Cícero Lacerda