quarta-feira, 15 de junho de 2016

Coisas que humanidade fazia antes da internet existir


Aí da sua conexão e do conforto dos milhares de bytes transferidos, a gente quase nem lembra como muitas vezes era sofrido conseguir algumas coisas. Imagina quanto tempo da vida foi economizado por conta da tecnologia e mesmo assim você aí reclamando que o dia só tem 24 horas.
Antes da internet zuêra sem limites, do seu roteador e do seu smartphone, já existia civilização, e ela funcionava muito bem, obrigado. Para valorizar nossas facilidades, conheça  atividades impensáveis sem internet no mundo atual.
1. Pesquisas escolares
Antes do Google e da Wikipedia, as pessoas de bem se utilizavam de enciclopédias. Era muito comum comprar muitos livros dessas coleções que tentavam falar de tudo um pouco, ou frequentar bibliotecas pra ler e pegar emprestado. Só não podia esquecer de devolver, a mocinha da recepção ficava muito brava.

Trabalhos Escolares

Hoje em dia tem impressora wi-fi e impressora 3D (só falta fazer um sanduíche). O pior é quando essas desgraçadas não funcionam, a galera já quer enfiar o pé. Mas lá nos idos anos 90, os trabalhos escolares eram feitos na máquina de escrever.

Ligações no meio da rua

Celular? Imagina! Era orelhão mesmo. Comprar ficha, entrar na fila, rezar pra mocinha da frente não estar rezando 50 mil ave marias num disque pecado e ainda tirar a sorte grande de alguém atender a sua ligação lá no número de destino. Emergências? Isso era para os fracos. Depois surgiram os bipes. Mas só gente rica e importante tinha. #chateado.

Músicas

Antes dos serviços de streaming, downloads e iPod, aliás, antes mesmo dos CD’s, se a gente quisesse a música sensação do momento tinha que ficar ligando na rádio para pedir a música, depois esperar o programa inteiro pra gravar o hit. E quando a fita acabava antes da música?

Brincadeira do elástico

Lá nos anos 90, uma brincadeira que virou febre no país inteiro: pular elástico. Sim, era divertido ficar se embolando num elástico esticado. O mais sensacional é que ele não tinha manual de instruções mas existiam vários movimentos predeterminados na brincadeira. Não pergunte como essas informações chegavam a todos os cantos do país. Elas simplesmente chegavam.

Assistir a alguma coisa legal em casa

Como não existia Netflix e nem internet, as locadoras de filmes eram muito comuns. E antes do DVD era o VHS, com uma qualidade maravil… deixa pra lá. O importante era lembrar de rebobinar (voltar a fita pro início) antes da devolução, ou a multa comia seu precioso dinheirinho.

Paquerar

Era muito difícil. MEU SANTO JESUS CRISTO. Você tinha que abusar da sua rede de contatos. Saber pelas amiguinhas ou amiguinhos se fulana tava a fim de você, e mesmo assim podia não dar MATCH! Tinder e outros aplicativos facilitando a vida e a gente se achando o fodão do cutuque.

Saber a hora certa

Hoje em dia, pra acertar o relógio todo mundo recorre ao celular, que ajusta a hora automaticamente. Mas sabia que existe um serviço que era muito utilizado e existe até hoje? Basta discar 130 e você ouve a hora certa no telefone. Testa aí!

Pornografia

Qualquer pedaço de pele ou insinuação era uma carga de tesão. Playboy? Era o auge da safadeza antes da segunda metade dos anos 90 aqui no Brasil. Quando um amiguinho no colégio chegava de manhã e espalhava pra turma: roubei a playboy que meu pai comprou. Já era a hora do lanche. Um formigueiro de pirralhos olhando atentamente cada foto.

Comprar passagem aérea

Doce vida essa de procurar o melhor preço em todos os sites das cias aéreas, de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora. No passado longínquo era necessário se deslocar pra uma agência de viagens, pegar fila, confiar no atendente e pagar preços astronômicos em qualquer trecho.

Saber das tendências de moda

Sabe esse tanto de it-blogueira que você segue? Isso não existia. Aliás, as tendências não chegavam aqui tão facilmente. As revistas de moda eram as melhores amigas de quem buscava informação. Hoje em dia com tanta variedade e tantas formas de se manter na moda, mas você aí, combinando cinto e sapato caramelo.

Aprender receitas bacanas

Ou você acordava cedo pra assistir aos programas matinais, quando as apresentadores realmente cozinhavam e não conversavam com fantoches, ou comprava livros de receitas e guardava as melhores no caderno de receitas da vovó.

Piadas

O mundo virou uma fábrica em série de memes e vídeos engraçados. Sem internet, boa parte da população se contentava com um livro do Ari Toledo. “Sabe o que aconteceu com o policial que se olhou no espelho? O polícial civil”. TOLEDO, Ari – Página 8.

Horário do cinema

Os filmes da gringa chegavam alguns (muitos) meses da sua estreia. Todo mundo tinha um cinema preferido e passava no lugar pra conferir os horários da semana ou então, nos cinemas mais modernosos, tinham um número de telefone e você perguntava quais horários e filmes estavam em cartaz. E claro, o bom e velho jornal de domingo; #quesaudade.

Saber da vida de alguém

Ninguém tinha Facebook, Orkut, Instagram, Secret, nem nada parecido. Mas a casa da família brasileira tinha uma coisa muito importante: a lista telefônica. Nela a gente conseguia o número de telefone da pessoa e o seu endereço.

Reservar Hotel

As agências de viagem faziam esse trabalho pra você, mas caso já tivesse a indicação de algum hotel bacana no seu destino, era preciso ligar e fazer a reserva, depositar uma certa quantia e esperar que tudo saísse bem.

Pagar contas no banco

Pagar as contas fica cada vez mais fácil e rápido. Os bancos têm aplicativos e agora até código de barras são lidos nos smartphones. Já pensou antes da internet e dos caixas eletrônicos? Ir até uma agência, enfrentar muita fila e pagar todas as contas na boca do caixa. E vai tempo gasto nessa vida.

Ver e compartilhar fotos

Em tempos de Instagram, tirar mil fotos, escolher a melhor, aplicar um filtro, marcar as pessoas e postar, pode parecer uma caminho longo. Antigamente, com as máquinas fotográficas analógicas, era torcer pra tirar fotos boas, utilizando filmes fotográficos com número limitado de fotografias, levar pra revelação e muitas vezes receber o envelope com as fotos mais toscas do universo. Aí vinha a melhor parte, depois as pessoas marcavam uma reuniãozinha de amigos ou parentes em casa pra exibir o álbum.

Caminhos/Mapas

Os mapas eram de papel, os caminhos da nossa cidade eram decorados na memória e alguma noção dos pontos cardeais eram quase necessários. Enquanto hoje se perder é falta de vergonha na cara, ou de sinal, antes era desculpa para puxar assunto com a(o) gatinha(o) na rua.

Desaparecer por algumas horas

Pelo direito de querer ficar sozinho. Desaparecer por algumas horas sem deixar ninguém preocupado era muito fácil. Não tinha celular, whatsapp e nem aplicativo pra “stalkear” a vida alheia. Para qualquer vontade de curtir a solitude, bastava sair de casa sem rumo ou ficar em casa e não atender o telefone fixo.
Antes de falar que ontem era melhor que hoje, pense em tudo isso. Mas o incrível é que mesmo com toda essa facilidade, cada vez mais conectados, ainda assim estamos cada vez mais sozinhos.