quarta-feira, 9 de março de 2016

DEPUTADO FILHO DE ARNEIROZ DEIXA O PT


A voz embarga, os olhos lacrimejam e o contido murro na mesa fecha a composição que dá forma ao “drama metafísico” que o deputado federal Odorico Monteiro diz estar sentindo no momento em que dá fim a uma relação de 36 anos com o Partido dos Trabalhadores. “Estou sendo tangido do PT, tangido”, disse, ontem à tarde, na sala do seu apartamento em Fortaleza, ao confirmar para O POVO que está trocando de sigla e ainda amanhã organiza um ato para oficializar filiação ao Pros.
Odorico Monteiro responsabiliza o colega de bancada José Guimarães, atual líder do governo Dilma Rousseff na Câmara, por sua decisão de deixar o PT. Desde quando decidiu candidatar-se a uma vaga de deputado federal, ele afirma vir sendo alvo de perseguições e retaliações, apesar, garante, de ter sempre buscado uma forma de entendimento com o parlamentar, reconhecendo-o como uma das principais lideranças petistas no Ceará. “Várias das pessoas com as quais conversei nos últimos dias, para comunicar minha decisão, entenderam o gesto porque sabiam que eu não estava fantasiando, que não era um instinto paranoico”, diz.

Desde agosto do ano passado que Odorico Monteiro tenta discutir a situação com o presidente da executiva nacional, Rui Falcão, ainda buscando uma forma de reduzir e resolver seus incômodos internos. “Até hoje não tive qualquer resposta, por exemplo, a um pedido de audiência”, reclama, mostrando-se cansado. Desde a campanha que Guimarães, segundo ele, tenta impedir sua candidatura. “Até o (Alexandre) Padilha foi procurado para tentar me convencer a desistir”, afirma, adiantando que sua campanha não recebeu um centavo do partido. Mais um desabafo: “Já eleito, fui a São Paulo para ver se conseguia alguma ajuda nacional e só cheguei à recepção. Sequer consegui ser recebido pelo Falcão”.
Bateu e levou
Acertado com a cúpula nacional do Pros, Odorico Monteiro adianta que tensionará no novo partido para que ele assuma uma linha de centro-esquerda. “Mudo de partido, mas não mudo de bandeiras”, afirma, reforçando a prioridade do mandato à defesa, dentre outros, do movimento social, do trabalhador rural, negro, à população LGBT e da mulher. O presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz, nega qualquer perseguição ao deputado. “Na verdade, ele gosta de metáforas, gosta de encenar as coisas”, diz o dirigente, que acusa Odorico de, na verdade, querer se equiparar a José Guimarães dentro do equilíbrio de forças interno.

Sobre a recusa do presidente nacional Rui Falcão em receber Odorico Monteiro, De Assis Diniz afirma que foi deliberada. “Ele já sabia que era uma tentativa de justificar o injustificável, criar uma situação para anunciar a saída do partido”, diz o dirigente.
O deputado José Guimarães foi procurado pelo O POVO ontem à noite, através dos seus telefones celulares e o de um assessor, mas não atendeu às ligações feitas.

Fonte:O Povo