terça-feira, 1 de dezembro de 2015

TAUAENSE É CAMPEÃ MUNDIAL DE MMA


Viviane Pereira, a Sucuri, escreveu seu nome na história das artes marciais cearenses. Em uma luta eletrizante disputada na noite de sábado, 28, em São Paulo, ela venceu a paranaense Vanessa Guimarães, conquistou o cinturão da categoria peso palha do Xtreme Fighting Championships (XFC) e se tornou a primeira atleta do Ceará a conquistar título mundial em uma organização de MMA.
A conquista veio após um combate duro, após três rounds bem equilibrados, que terminou com chave de braço aplicada por Sucuri, obrigando a adversária a sinalizar desistência. Vanessa teve seus melhores momentos na luta em pé e nas quedas, mas no chão Sucuri mostrou habilidade no jiu-jitsu.
Para chegar à disputa de título do XFC, Sucuri teve que vencer três lutas na organização. Em novembro de 2014, bateu Fernanda Pinheiro por nocaute. Depois, venceu Liana Pirosin, em março. Quatro meses depois, bateu a finlandesa Vuokko Katainen, faturando o título do torneio do 2º GP peso palha e ganhando o direito de disputar o cinturão mundial da categoria, contra Vanessa, que havia sido campeã do 1º GP.
Maior estrela do MMA cearense, Sucuri, 22, treina em Fortaleza na equipe Dragon Kombat. Em menos de três anos, disputou 10 lutas profissionais e venceu todas. Está invicta. E detém ainda dois cinturões de outras organizações em sua galeria, o do Bitetti Combat e o do Limo Fight Championship (LFC).

Viviane é tauaense
Nascida em Tauá, cidade do interior cearense a 320 km de Fortaleza, Viviane teve uma infância difícil, convivendo diariamente com muitos problemas familiares e sociais. O álcool manteve seu pai distante e a fome fazia parte do cotidiano da família Pereira, que tinha a mãe, Dona Rita, como líder e disciplinadora assídua. Sucuri e seus três irmãos chegaram até a se alimentarem de lavagem de porco nos momentos mais complicados. Um passado a ser esquecido, mas não totalmente. As dificuldades de outrora motivam o presente para moldar o futuro ideal.“Quero esquecer minha infância, mas ainda lembro bastante dela e a uso a meu favor. Minha inspiração é nas dificuldades diárias que passei quando era criança e nas que passo atualmente para treinar. Sem dúvida é algo que energiza e me dá um ânimo a mais no hexágono. 
Fontes:http://esportes.terra.com.br/ e www.facebook.com/OPOVOOnline