segunda-feira, 20 de julho de 2015

JOVEM FOI MORTA E QUEIMADA EM AIUABA


A 14ª Delegacia Regional de Polícia Civil, comandada pelo Delegado Dr. Gregório Neto, através dos Inspetores  Michel, Baiano e escrivão Ticiano, cumpriu mandado de prisão preventiva contra duas pessoas (um casal), residentes no bairro Bela Vista, naquela cidade, acusados de estarem em companhia de Antonia Lurdielma Pereira de Oliveira, 23, na praça da matriz, na madrugada do seu desaparecimento, ocorrido após uma festa, no dia 06 de julho em Aiuaba.

Ainda na noite do dia 06, o pai da jovem, Francisco das Chagas de Oliveira, conhecido como  "Di do Joaquim", comparecia a DP e  registrava um Boletim de Ocorrência sobre o desaparecimento da filha.

Naquela oportunidade, um homem identificado como Fernando foi ouvido, e em seguida liberado, pois o mesmo havia estado com a jovem na madrugada daquele dia. Ele negou qualquer envolvimento no desaparecimento da mulher, informando que ela tinha saído de moto com um homem desconhecido, e que ele, Fernando, estava pronto para ajudar a polícia e a família no sentido de encontra-la, demonstrando frieza sobre tal fato.

Diante de constantes buscas realizadas pela policia e pelos familiares e amigos no município de Aiuaba, e até mesmo noutras regiões, a polícia militar local, informou o fato ao Poder Judiciário, que de posse das informações, decretou a prisão preventiva de Fernando e de sua esposa identificada  como Matilde, sendo cumprido no final da tarde desta sexta-feira, 17.

Segundo a nova versão apresentada por Fernando, ele confessou  aos inspetores  que juntamente  com Nego cometeram o ato, sendo que quem efetuou os disparos foi Nego a mando de Fernando, que já tem passagens pela polícia e que segundo ele, estaria incomodado com a moça por que ela estaria informando a polícia que ele andava armado e traficando drogas em Aiuaba. Os acusados convidaram a vítima para beber na casa do casal Fernando e Matilde, e chegando lá Fernando a convenceu possivelmente para usar drogas fora de casa (no matagal) e lá praticaram o crime enquanto Matilde os aguardava na casa. 

Três tiros atingiram a  nuca, ou seja a cabeça, da vítima e em seguida eles atearam  fogo no corpo, e dois dias depois teriam enterrado numa cova rasa, configurando ocultação de  cadáver.

Ainda nesta noite de sexta-feira, a Polícia Civil foi ao local indicado pelo acusado onde o crime foi cometido e lá foi encontrado alguns vestígios do corpo da moça, como cabelo e outros objetos, porém os restos mortais ainda não tinham sidos  localizados.

A Polícia nesta manhã de  sábado (18) continuou as buscas e  encontrou os restos mortais (ossos) da vítima, que após queimada, foi também enterrada numa cova rasa, ha dois quilômetros da cidade,  próximo ao bairro Bela Vista. Os três acusados estão recolhidos a carceragem da 14ª DP.


A Polícia Civil acionou o Núcleo da Perícia Forense de Tauá e os peritos foram no local do fato e realizou os devidos procedimentos e encaminhamentos. Muitos curiosos acompanharam o trabalho da Polícia Civil e da Perícia em um clima de muita dor e revolta da população aiuabense.


Reportagem: Flaviano Oliveira.
Fotos: Flaviano Oliveira/Polícia Civil.