segunda-feira, 1 de junho de 2015

VEM AI MAIS UM FESTIVAL DOS INHAMUNS


Consolidado como o maior projeto de artes circenses, teatro de bonecos e artes de rua do Nordeste, o Festival dos Inhamuns chega à sua oitava edição celebrando 10 anos de formação, intercâmbio e promoção da arte popular cearense, brasileira e da América Latina.
O festival acontece de 7 a 13 de junho e tomará conta das principais ruas e praças do Sertão dos Inhamuns, nos municípios de Tauá, Arneiroz com a Mostra Polos. Para esta etapa foram selecionados 33 grupos, que resultará numa programação com 57 espetáculos, 05 oficinas e 01 residência.
Em Tauá os artistas participantes sempre contam com o apoio da Prefeitura municipal e da equipe da Secretaria de Cultura e Turismo que tem à frente o radialista Radir Rocha, grande entusiasta do movimento. 
Alguns dos destaques são os grupos Núcleo Ás de Paus – A pereira da tia miséria (Londrina/PR), Federico Galván – Basura Belleza (Mar Del Plata/AR), Trupe Lona Preta – O concerto da Lona Preta (São Paulo/SP), A Outra Cia de Teatro – Remendo Remendó – (Salvador/BA), além de vários grupos cearenses renomados como Dona Zefinha (Itapipoca/CE), Gustavo Portela (Fortaleza/CE) e o Circo Tupiniquim (Eusébio/CE).
“Em dez meses do projeto Inhamuns, chegaremos ao resultado de 06 residências, 15 oficinas, 51 grupos selecionados e 130 espetáculos. Penso que acertamos no maior objetivo do projeto, que é a grande integração e democratização da arte do circo e de rua e a consequente formação de novos e experientes artistas”, explica Robson Cavalcante, diretor geral do festival e um dos fundadores da Arte Jucá, Organização Não Governamental que atua em Arneiroz, na formação artística de crianças e jovens.  
A instituição Arte Jucá completa este ano15 anos de atividades em Arneiroz e no Sertão dos Inhamuns.
Homenagem
Além de comemorar 10 anos de muito trabalho e valorização da cultura e arte de rua, o festival homenageia os atores Sidney Souto e Marcos Amaral, que morreram recentemente, nomeando os espaços com os nomes dos artistas, como a Arena Sidney Souto e o Calçadão Marcos Amaral.  Também homenageia o Circo com o nome de um dos mais carinhosos artistas circenses do Ceará, o saudoso Trepinha.
Um festival para todos
Em 2015, o Festival dos Inhamuns completa 10 anos. Nesse tempo, foram realizadas 12 mostras, distribuídas em oito edições que, literalmente, levaram arte aos quatro ventos deste nosso sertão extremo. Uma década é conta grande. Tempo de parar, olhar pra trás e avaliar.
O que é o Festival?
Ainda somos ou já viramos outra coisa? Somos agora o que fomos criados pra ser? Não chegamos? Desvirtuamos do caminho ou reconfiguramos e fomos além? Quem gera a coisa não pretende oferecer supostas repostas e autorrotular-se. Com essas perguntas, e por esse motivo, a Terceira Mostra da Oitava Edição deve ser mais do que uma simples mostra, deve ser vista como uma convocação ao diálogo e, a partir dos seus desdobramentos, talvez, a celebração.
Como assim: Terceira Mostra da Oitava Edição?
Quando idealizado pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, o Festival foi pensado para não ser uma mostra apenas, mas uma ação catalizadora das potencialidades artísticas regionais e de democratização e acesso aos bens culturais, cujo direito e desfrute, naquele momento, era quase exclusivo dos grandes centros. O Festival dos Inhamuns foi pensado assim: pra ser motor, plataforma, ponte.
Desde 2010, quando a Arte Jucá assumiu o leme, depois de cinco anos coproduzindo e aprendendo, e antes disso, mais de uma década fazendo a mobilização da cena artística que ofereceu ao governo o formato e a linguagem da ação estruturante aplicada a esta região, o Festival dos Inhamuns vem ensaiando o “pulo do gato”.
O “pulo” foi dado nesta edição, que começou em agosto de 2014 e encerrará em junho de 2015, totalizando 10 meses de ações dentro de uma mesma edição. A primeira etapa aconteceu com o apoio da Fundação Nacional de Artes – Funarte, quando realizamos a Mostra Cidades – Circuito Mambembe.
O Circuito percorreu cinco cidades numa caravana composta por mais de 70 artistas, resultante de 18 gruposselecionados que ofertou 43 espetáculosquatro oficinas e 01 residência enquanto circulava pelas cidades de Aiuaba, Parambu, Quiterianópolis, Arneiroz e Tauá.
A segunda etapa começou em janeiro e se estenderá até junho de 2015, com o apoio do Governo do Estado do Ceará através da Secretaria da Cultura. De janeiro a março foram realizadas ações do festival dos Inhamuns através da Arte Jucá ofertando 04 residências, 07 oficinas e 15 espetáculos. Neste momento (abril/maio), acontece a Mostra Campo, onde uma segunda caravana com 05 grupos e 12 espetáculos percorrem 04 distritosda zona rural: Planalto, Assentamento Mucuim, Santa Tereza e Vila Joaquim Moreira (Café).
Serviço:
VIII Festival dos Inhamuns, Circo, Bonecos e Arte de Rua